BOLO DE ANIVERSÁRIO

Bolo

  • 8 ovos L
  • 200g de chocolate 70% de culinária
  • 100g de manteiga Ghee
  • 6 colheres de sopa de açúcar de coco
  • 1 colher de sopa e meia de maizena (amido de milho)
  • 1 colher de chá de fermento

Cobertura

  • 1 pacote de natas frias
  • 1 embalagem de queijo creme (125g)
  • 2 colheres de sopa de mel
  • Flores comestíveis e morangos

Preparação

  1. Começar por derreter o chocolate com a manteiga, em banho-maria e reservar.
  2. Separar as gemas das claras e bater as mesmas em castelo com umas gotas de limão e uma pitada de sal rosa fino.
  3. Bater as gemas com o açúcar de coco até que dobre de volume e fique um creme esbranquiçado. Juntar o chocolate derretido e voltar a bater até que o creme fique homogéneo.
  4. Juntar as claras em castelo ao creme de chocolate, envolvendo e não batendo.
  5. Retirar 1 concha de sopa da massa do bolo e misturar com uma vara de arames a maizena e o fermento.
  6. Juntar à restante massa de bolo, envolvendo novamente.
  7. Levar ao forno 20min a 180 graus.

Cobertura: Bater o queijo creme, natas e mel até que fique um creme espesso e reservar durante 1h, no mínimo, no frio.

Depois do bolo já ter arrefecido por completo colocar o creme por cima e decorar a gosto 🙂

Espero que gostem!

 

 

Anúncios

O Watt – by Chef Kiko

A convite do @zomatopt tive a oportunidade de usufruir de uma experiência de degustação de pratos no mais recente espaço do Chef Kiko.

Localizado na sede da EDP no cais sodré é um dos projetos mais queridos do Chef Kiko e direccionado para a alimentação saudável.

Desde a entrada do restaurante à cozinha e ao espaço interior é simplesmente encantador e transpira boa energia.

Neste restaurante primam os alimentos frescos e da época e não há utilização nem de açúcar nem gordura trans, sendo que há também uma atenção especifica para a temperatura das gorduras utilizadas como o azeite para que não se percam os seus beneficios na confeccção dos pratos.

Welcome Drink

  • Ampere e frutos secos caramelizados com sementes

8D27D322-ADAD-45A1-B13B-D196A8B76722.jpeg

Entradas

  • Flatbread de farinha de alfarroba + Papadum de grão de bico

9154E8B8-BCFF-4DE0-9517-396E0158191C

  • Tomate bio com burrata e uma espuma incrivel de tomate

306CA0BD-3409-4A96-8011-F77F9229301E.jpeg

  • Omelete de claras com lavagante

F9C2BCBC-5EF6-4B21-A884-89C21F60620A

Pratos

  • Cevadinha com espetada de polvo galega

A8A7C5B7-1B87-4AC3-8AA8-118EEDB299BB.jpeg

  • Atum com quinoa

AE772D64-7003-498E-B8E2-2A20C18F7A4E.jpeg

  • Couscous de couve flor com mix de cogumelos

F2B5AB42-07AC-49E8-86B6-C8D51600BDC2.jpeg

Sobremesa

  • Panacota de chocolate 70%, gelado de pevides e abóbora grelhada

7A8732D4-FD9E-442F-9FFA-5723314260A6.jpeg

 

Não me peçam para dizer o que gostei mais, porque a verdade é que estava tudo SOBERBO!

Preço médio – 35€-40€/Pessoa.

 

Olivier Avenida – A minha experiência

Já há muito que queria experimentar este restaurante do Chef Olivier! A convite da Right Buddy tive a oportunidade de o fazer ontem à noite e.. meu deus… FIQUEI COMPLETAMENTE RENDIDA!

Logo à entrada do restaurante deparamos-nos com uma primeira sala onde têm uma zona de bar central com cadeiras altas, algumas mesas à volta e também a garrafeira. No entanto, fiquei sentada na segunda sala que não é enorme mas ainda dá para algumas pessoas. A sala é bastante acolhedora e todo o ambiente é bastante calmo.. É, sem dúvida alguma, uma excelente opção para refeições especiais.

Mas o que tive a oportunide de experimentar?

Couvert

couvert
Cesto de pães + Tábua com diversos acompanhamentos

[têm mesmo de provar o húmmus e a pasta de azeitona!]

Entradas

carpaccio de polvo
Carpaacio de Polvo
alheira
Alheira com ovo de coderniz
folhado
Folhado de queijo de cabra, mel e nozes

Prato principal

IMG_0749.JPG
Picanha com linguini
linguini.JPG
Linguini

Sobremesa

sobremesa.JPG
Bomba branca

O melhor da refeição e que não podes mesmo deixar de provar: O linguini e o folhado de queijo cabra, mel e nozes.

Agora vamos aquelas informações que todos gostamos de saber:

  • Preço médio: 35-40€/pessoa
  • Tipo de cozinha: Mediterranica
  • Onde fica? Rua Júlio César Machado, 7, Avenida da Liberdade, Lisboa
O Olivier Avenida têm uma carta bastante variada e para além de almoços e jantares, servem também brunches. 

Espero que gostem tanto quanto eu!

BOLO DE BANANA

Ingredientes:

  • 150g de farinha de espelta 1050
  • 150g de farinha de trigo BIO
  • 125ml de óleo de girassol BIO ou 100g de óleo de coco derretido
  • 2 bananas grandes (maduras) + 1 para decorar
  • 1 colher de sopa cheia de sumo de limão
  • 130g de xarope de ácer ou mel
  • 125ml de leite de amêndoa
  • 1 colher de sopa de fermento
  • 1 colher de sobremesa de bicarbonato de sódio
  • 2 colher de sopa rasas de vinagre de maçã BIO

Preparação:

Pré-aquecer o forno a 180 graus.

Começar por esmagar as bananas. Juntar o óleo, leite de amêndoa, xarope de ácer e bater. Numa taça juntar as farinhas, o bicarbonato e o fermento. Envolver esta última mistura no 1º preparado. Verter o vinagre de maça por cima e voltar a envolver tudo.

Colocar a massa numa forma rectangular untada com oleo de coco.

Cortar longitudinalmente uma banana e colocar por cima da massa, cobrindo com uns xarope de ácer.

Levar ao forno 40min a 180 graus.

BOLO DE CHOCOLATE DIVINO

Ingredientes

  • 6 ovos
  • 140g de manteiga ghee fria
  • 140g de acúcar de coco
  • 50g de farinha de espelta
  • 250g de chocolate culinária 70%

Começar por separar as gemas e as claras. Bater as claras em castelo e reservar. Derreter o chocolate com a manteiga. Bater as gemas com o açúcar de coco até duplicarem de volume. Juntar o chocolate derretido com a manteiga e bater tudo até ficar uma pasta homogénea. Juntar as claras batidas até ficar no ponto de mousse. Envolver, cuidadosamente a farinha.

Forrar uma forma redonda com papel vegetal untado com óleo de coco ou azeite e verter a massa do bolo. Levar ao forno 15min a 180 graus.

 

Cobertura: pepitas de chocolate 60% + ½ pacote de natas de soja

AMPLITUDE DO AGACHAMENTO by PATRICIA MAIA

Amplitude do Agachamento

No que diz respeito ao Agachamento todos nós já ouvimos “desce a anca só até à linha do joelho”, “não avances o joelho pralém da ponta do pé”… Ora bem, até eu estudei que era assim mesmo que devia ser feito. Comecei nesta área a dar aulas de grupo (B.Pump) em que eram estas as “regras” mas em musculação as coisas são diferentes. Lembro-me de uma frase de um professor, onde ele dizia: “Não existem exercícios errados, mas sim, formas erradas de os executar”.

O Agachamento Profundo é um exercício muito utilizado no Crossfit, aliás, quem pratica esta modalidade sabe que se não agachar abaixo da linha do joelho é “No rep”. Esta amplitude nem sempre está ao alcance de todos e é preciso trabalhá-la. Tudo tem a ver com a mobilidade articular de cada um e a sua estrutura. Para aumentar esta amplitude sem falha técnica é necessário fortalecer os músculos da zona do Core, principalmente na zona lombar.

Há uns tempos atrás dizia-se que este tipo de agachamento provocaria problemas articulares nos joelhos. No entanto, estudos posteriores a esta conclusão, mostraram que atletas de força que levantam cargas superiores ao seu próprio peso e que executam o agachamento profundo (com flexão igual ou superior a 110°) têm as suas articulações mais estáveis do que individuos que não agacham.

Este tipo de agachamento é considerado bem executado quando não implica dor e a bacia não sofre qualquer alteração ao longo do movimento, como por exemplo, uma retroversão.

 

Algumas dicas para executar o agachamento perfeitamente:

– Manter a coluna firme, como se fosse uma peça única e imóvel.

– Colocar os cotovelos a apontar para o chão (no caso de usarmos uma barra nos ombros).

– Descer através da flexão dos joelhos e não da coluna (lembrem-se que ela está firme e não mexe).

– Colocar a ponta dos pés ligeiramente para fora e afastar os joelhos ligeiramente na direcção do 2°/3° dedo do pé.

– Colocar um disco (ou usar ténis de powerlifting) para dar uma altura no calcanhar e facilitar o agachamento profundo, evitando assim compensações.

Principais obstáculos

– Falta de mobilidade articular, principalmente do tornozelo (sabes que a tens quando ao executares o agachamento tens a sensação de cair para trás).

– Fazer compensações com a coluna (flexão da coluna é o erro mais comum) saindo assim da posição anatómica.

– Falta de flexibilidade nos glúteos e nos isquiotibiais (o que leva a uma retroversão da bacia no fim do movimento).

Concluindo, todos nós podemos fazer um agachamento profundo sem qualquer preocupação se mantivermos todas as dicas para que este seja feito correctamente. Em todo o caso, no meu próximo artigo irei aprofundar mais o tema muito importante que é a Mobilidade do Tornozelo.

Já sabem que qualquer exercício mal executado, com ou sem carga,  pode trazer consequências negativas para a nossa saúde e para as tarefas do nosso dia-a-dia. Por isso, sempre que tenham dúvidas procurem um profissional, salvaguardem-se 😉

Bons treinos!

#ptpatriciamaia

 

PESO MORTO (by Tiago Moacho)

Olá Eatofitters!

Hoje venho falar-vos de um exercício, com o qual podem estar a ter algumas dificuldades. Pessoalmente gosto muito, tanto de fazer como de o ensinar, o Peso Morto.

Comecemos por perceber que musculatura envolve e que componentes técnicas e posturais devemos cumprir para que a sua realização não seja comprometida. Se não sabes qual é o exercício de que estou a falar, podes ir vir a Fig.2, abaixo.

Pois bem, o peso morto é um exercício composto (envolve várias articulações e muitos músculos)….sim, daqueles bons para quem quer menos massa gorda! Quem já o experimentou sabe bem a sua complexidade. Neste exercício recrutamos a Cadeia Muscular Posterior, por outras palavras, quando o fazes estás a “trabalhar” desde a ponta do teu dedo pé até à zona frontal da tua cabeça…uff, parece ser bom!… sim ladys, não é um simples exercício para os glúteos…é muito mais que isso.

Músculos envolvidos:

  • Gémeos
  • Semimembranoso
  • Semitendinoso
  • Bicípite femoral
  • Glúteos

Querem mais ??

  • Extensores da coluna
  • Antebraços
  • Reto abdominal
  • Transverso
  • Oblíquos internos e externos
  • Entre outros..

 As dificuldades na execução prendem-se, por norma, num destes pontos:

  • Manutenção da coluna neutra (flexão lombar e torácica ou extensão cervical…deixem de se olhar ao espelho !!!) (Fig.1, img 1 e 2)
  • Hiperextensão da coluna (Fig.1, img 3)

peso.jpg

  • Falta de flexibilidade da cadeira posterior, que por sua vez é compensada com um dos erros acima.
  • Excessiva flexão dos joelhos, transformando o exercício num agachamento e quebrando o trabalho em cadeia.
  • A simples falta de consciencialização corporal, não entendendo o movimento que o segmento anca/coluna deve fazer.
  • Calçado:Usar ténis com enchimento de ar ou gel que comprimem e prejudicam a transferência de potência, além da estabilidade. A minha opinião: descalcem-se! Simples e natural, o pé tem muitos recetores nervosos e desta forma aumentam a propriocepção entre vocês e o solo.

Aqui tens uma sequência completa de uma boa execução do Peso Morto.

execução.jpg

Se detetaste na tua execução alguns dos erros acima, a boa notícia é que é possível corrigir-los. Aconselho que regridas e comeces com exercícios + simples e vás evoluindo a complexidade. Uma possível sequência pode ser: elevação da bacia no tapete//pointer//de joelhos, com elástico na anca e a vir de trás, avançar e recuar bacia//Peso Morto.

Não te esqueças de pedir ajuda a um profissional para que te ensine com segurança, tentar sozinho pode não dar bom resultado.

Curiosidade: O recorde mundial de peso morto é de 500 kgs, um feito do inglês Eddie Hall, de 28 anos. Obvio que levantar meia tonelada tem consequências e rebentou alguns vasos sanguíneos, perdendo os sentidos… “No Pain, No Gain”… uma frase a eliminar.

Se tiveres alguma questão, deixa nos comentários 🙂

Tiago Moacho